V Colóquio Internacional A Universidade e modos de produção do conhecimento, para que desenvolvimentos?

postado em: Uncategorized | 3

cartaz_001_site_1900

 

No âmbito da parceria UNL-Fribourg-UNIMONTES, realizamos o I Colóquio Internacional, em Montes Claros, de 21 a 23 de agosto de 2008, sob o título (Des)envolvimentos contra a pobreza: mediações teóricas, técnicas e políticas; o II Colóquio Pobreza da Globalização, globalização da pobreza: experiências inovadoras e perspectivas de mudança ocorrido em Lisboa de 03 a 05 de dezembro de 2009, contou com a participação de Robert Castel ; o III Colóquio Recursos na luta contra a pobreza: entre o controle societal e reconhecimento social foi sediado em Montes Claros, de 26 a 28 de agosto de 2010; o IV Colóquio Internacional Ação Pública e Problemas Sociais em Cidades Intermediárias, de 23 a 25 de janeiro de 2013,na Universidade Nova de Lisboa em Lisboa-Pt, com participação do renomado cientista social Jean Remy, conferencista e homenageado. A partir do IV Colóquio, se alarga a parceria com várias universidades de Portugal, como a Universidade de Évora, a Universidade da Beira Interior, a Universidade do Minho, a Universidade de Faro e a Universidade de Coimbra. O V Colóquio Internacional A Universidade e modos de produção do conhecimento, para que desenvolvimentos? será sediado em Montes Claros, de 02 a 04 de setembro de 2015 na Unimontes.
Como são e como serão as Universidades no século XXI e como é que elas poderão contribuir para o desenvolvimento social e humano das nossas sociedades? As respostas já estão aí, nos sulcos desenhados no tecido social pelo nosso labor cotidiano, mas também nos sinais que projetam as nossas práticas no futuro. O desafio que lançamos com este colóquio internacional é de fazer incidir sobre nós mesmos, aquela curiosidade apaixonada ou aquela atenção maiêutica que temos por hábito praticar na nossa pesquisa e no nosso ensino. Mas este exercício narcísico do olhar não nos desviará do rumo, já que nós só nos conseguimos ver, de fato, por meio dos nossos resultados.

A dificuldade do exercício é que estes resultados se perfilam num campo bastante vasto de finalidades que se apresentam como desafios que a Universidade está constantemente a tentar resolver e que Boaventura Sousa Santos  sintetizou distinguindo a questão institucional (que se resolve entre as forças de produção e as forças de reprodução); a questão da legitimidade (de acordo como os efeitos do ensino pendem mais para a hierarquização ou para a democratização) e, finalmente, a questão da hegemonia (considerando as relações que se estabelecem entre conhecimentos exemplares e conhecimentos funcionais).

No plano institucional, as missões e os objetivos do Ensino Superior desenham-se sempre entre as dimensões de “instituição” e de “organização”   em conjunção, respetivamente, com o trabalho sobre os valores estruturantes das sociedades (reprodução) e a sua atualização ou mudança (produção). Estas dimensões entram, de acordo com uma geometria variável, nos diferentes modelos de referência (“napoleônica”, ou “humboldtiana”…) da “Universidade” e elas se concretizam em cada instituição de uma forma específica, orientando os conteúdos e os sentidos dos nossos investimentos, tanto na pesquisa como no ensino. Em que medida essas orientações fixam as nossas escolhas e como é que elas nos permitem participar na construção da sociedade? E que valores e interesses servimos?

A questão da democratização do Ensino Superior coloca-se a vários níveis e produz efeitos determinantes na sociedade. Para além das condições de acesso (que participam de forma notória na (re)produção das posições sociais) e das condições de tratamento dos alunos (que transportam para as salas de aula os princípios da discriminação), interessa-nos considerar os resultados obtidos, primeiro no plano escolar e em seguida no plano social. Por meio da análise destes momentos do processo de democratização do ensino superior podemos perceber, designadamente, a dinâmica das mudanças que se observam na estrutura das posições sociais; os patamares ou os modelos de desenvolvimento econômico, social e humano, conseguidos; a importância que assume o conhecimento ou as suas expressões simbólicas (diplomas…) nas estratégias dos atores sociais. Em que medida e como a Universidade é capaz de participar na construção e na mudança social, tanto no plano dos atores individuais como coletivos?

O Ensino superior é questionado, ainda, pelos modos de produção do conhecimento, e particularmente, pela tensão suscetível de existir entre os conhecimentos científicos e outros tipos de conhecimento. Nos últimos vinte anos têm vindo a ser distinguidos, e mesmo confrontados entre si, um modelo “normal” ou modo 1 e um modelo emergente ou modo 2 de fazer ciência . Contrariamente ao primeiro, o modo 2 aponta para uma pesquisa centrada em problemas definidos pela sociedade e não mais apenas pela Academia, implicando que os saberes necessários para a sua resolução não são mais exclusivos à Academia mas partilhados entre os atores intervenientes, deslocando-se assim a iniciativa da pesquisa da Universidade para atores (econômicos, políticos…) com poder suficiente para definirem quais os objetos que serão dignos de investimento, sendo que a validação dos resultados não é mais feita apenas pela Academia, nem sujeita ao controlo pelos pares, mas submetida aos princípios de eficácia e de eficiência definidos pelos parceiros envolvidos. Como e em que medida estas orientações mudam, ou podem vir a mudar, os compromissos da Universidade com a sociedade e o desenvolvimento em particular? Como é que ela pode mudar a nossa forma de fazer pesquisa? Como transpor para o campo da luta pela promoção da cidadania, da justiça e da igualdade os princípios do modo 2 de fazer ciência, que é mais pensado em relação a projetos do tipo Ciência e Tecnologia? Qual é o estatuto das ciências sociais e humanas nos novos modelos de fazer e de gerir a ciência? Como poderão participar, nesses novos modelos, os conhecimentos tradicionais, populares e indígenas? Como pensar a interdisciplinaridade (que é um movimentos que a Academia assumiu) num contexto onde se valoriza uma transdisciplinaridade regulada por interesses exteriores à Academia. Quem definirá os princípios éticos necessários para proceder a essa regulação, num contexto onde o político e a política tende a impor-se à ética?

Interessa-nos discutir os modos como estas questões interpelam as nossas práticas de pesquisa e de ensino, particularmente quando está em causa a construção de sociedades marcadas pelas desigualdades e injustiça social. Como é que estas questões se colocam no seio de uma Academia extremamente estratificada considerando, designadamente, os seus centros de iniciativa, de organização e de financiamento; uma repartição discriminada dos recursos e dos níveis de excelência (definidos com base em critérios eles-mesmos discriminatórios); os seus níveis de comprometimento com os valores e interesses contraditórios da sociedade?

Sem dúvida que as respostas a estas perguntas e o sentido que elas assumem face aos desafios atuais e futuros colocados à Universidade, se deixam ler nas nossas práticas, que vos convidamos assim a revisitar, inserindo-as num dos eixos de problemática apresentados a seguir.

Temas para Apresentação de comunicações

1. A Universidade, para que desenvolvimentos?

2. Universidade e a construção da cidadania, com justiça e igualdade social?

3. O Desenvolvimento como prática interdisciplinar: temporalidades, modalidades e sentidos

4. Como vive a Universidade com os Movimentos sociais?

a. Movimentos Sociais de Género

b. Movimentos Sociais de Jovens

c. Movimentos Sociais de Raça e Etnia

d. Movimentos Sociais com Base Territorial

e. Movimentos Sociais para uma outra Economia

f. Movimentos Sociais para a Igualdade, a Justiça e a Cidadania.

5. As Missões do Ensino Superior: que comprometimentos sociais, entre a implicação e o distanciamento

6. Modos de produção de conhecimentos e desenvolvimento: paradigmas, estatuto e finalidades da pesquisa

7. Modelos de transmissão de conhecimentos no ensino superior, para quê e para quem?

8. Conhecimento científico e conhecimentos tradicionais, modos de articulação

9. A democratização do Ensino Superior: ingressos, modos de integração e resultados

10. A Universidade e a extensão universitária: quem serve quem?

 

Mais informações: www.coloquiointernacional.com

3 Respostas

  1. Viagra Erezione Injurind cialis online without prescription eredytenon Cialis Pfizer Levitra

  2. Thanks for your whole work on this website. My mum takes pleasure in working on research and it is simple to grasp why. We notice all relating to the powerful ways you render very useful tips and tricks via your website and therefore strongly encourage response from website visitors on this theme while our own simple princess is without a doubt understanding so much. Take pleasure in the rest of the year. Your performing a very good job.

  3. I am just writing to make you understand what a notable experience my wife’s girl had using your web site. She mastered so many pieces, which included what it is like to possess an excellent helping nature to let other people with ease learn some problematic things. You truly surpassed people’s expected results. Thank you for producing these precious, trusted, informative and in addition fun tips about this topic to Lizeth.

Deixe uma resposta